quarta-feira, 12 de maio de 2010

Para não precipitar

tudo aquilo
que não cabe no poema
faz-se necessário aos olhos de quem lê
é o que mal posso explicar
um toque sublime
um segredo que eu ainda não criei
um sorriso atravessa os meu lábios
resolve não ficar
todo esse mistério se espalha
com memórias apagadas
de uma história que já foi minha
e todos os anjos repousam
sobre lágrimas vaporizadas
dos amantes que ficaram

Um comentário: