quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Quando a gente percebe o tempo passar

Antigamente, um século era tempo suficiente para uma guerra, uma revolução, uma reforma. A vida então se contava de cem em cem anos. A pressa e a nossa imperfeição fez das décadas o espaço de tempo suficiente para grandes mudanças, para novos cursos da História. É o Rock dos anos 80, Disco dos anos 70...
Hoje, 12 de Fevereiro de 2009, a vida se contabiliza em segundos. Basta entrar em qualquer site de notícias e ficar apertando insistentemente F5 para ver que tudo acontece ao mesmo tempo: são bombas, satélites, protocolos, células, embriões, eutanásia, aborto, meio ambiente, corrupção, corrupção e corrupção. O mundo não pára e não pede licença. Somos bombardeados em todos os sentidos. A informação em excesso nos mostra que o mundo existe muito bem sem a nossa presença; são notícias que não falam por nós. O mundo passa a ser um lugar distante que não nos pertence.
Esse não é um pedido para que as notícias deixem de ser divulgadas. Nem mesmo é um pedido. É só uma vontade íntima (receio que todas as vontades sejam assim, mas encaro o risco de ser redundante) de ver o mundo girar mais devagar, de ver o fim da pressa. Querem antecipar tudo, querem ver o mundo ofegante e precoce. Eu não tenho motivos para ter tanta pressa, mas serei esmagado se não seguir o fluxo. É imposição. Quando você fica parado, "atrapalha" as pessoas. É ofendido, empurrado, excluído. Eu tenho vinte anos e estava me sentindo velho e não-funcional, porque muitas pessoas da minha idade parecem, aparentam ter muito mais bagagem do que eu. De fato, têm. Mas isso é vatanjoso? Ao menos verdadeiro, útil? O conhecimento lecionado pelo mundo veloz se assemelha a um fast-food: prático, necessário às vezes, mas muito pouco saudável.
E eu estava sentado na sala da casa da minha vó quando me veio esta inspiração, a semente deste texto: era a brisa suave no rosto, invadindo a casa. A juventude veio com ela, estava ali na minha frente e eu pensei com o coração: Fica juventude, fica só mais um pouco! Me faz pensar em nada, não me deixa mais crescer. Faz parar o tempo, deixa o tempo me esquecer...

5 comentários:

Beatrix disse...

Eu é que fico surpresa.
Nossa horrivel essa sensação de que o tempo simplesmente te escapa pelos dedos,..=S

Bjokas;*

Juliana disse...

Isso me lembrou algo:
"Enxergue-se, o tempo acabou...O Despertador, pontual, correto."

bjukas ^^

Raikka disse...

É realmente frustrante perceber que o mundo tá aí, aliás, bem aí, feliz, fagueiro e saltitante, rodando a toda velocidade, enquanto a gente pára pra almoçar.

Se o tempo relativo só decresce, será que em algum momento ele vai ficar negativo?

SUSANA disse...

É impressionante como você sempre escreve sobre mim sem saber! Belíssimo texto.
Beijucas =)

Ana Aitak disse...

dá pra sentir a mesma sensação que sentiu quando leio o seu texto. Lindo mesmo.