domingo, 14 de dezembro de 2008

Vulto na mente

Vem neste exato momento, ou em um momento anterior a este, a hipótese de que algumas pessoas que passam pelo nosso caminho não são reais. Elas são anjos ou algum tipo de figura parecido, que pousam em terra firme só para saber como nós estamos e levar essas informações para alguma outra dimensão. Talvez eu seja uma delas. Talvez você. O mundo é um grande observatório... aos olhos de quem? Pode ser loucura, mas o que podemos classificar como real? Temos essa habilidade? Por trás de cada olhar há um mistério. Eu tenho medo de saber os seus segredos. Medo de te ver, te tocar, te beijar e depois descobrir que você não é real. Desculpe a filosofia de quinta em pleno domingo, mas eu precisava falar isso. Você me entende?
"Eu, que não sei quase nada do mar, descobri que não sei nada de mim"

3 comentários:

SUSANA disse...

Que lindo! Eu entendo tudo isso... Eu já me apaixonei por personagens de livro, de teatro, de músicas, de poemas... Mas tendo sempre a certeza de que não se tratavam de pessoas reais. Horrível é quando a gente descobre que não é real a pessoa que povoava nossa realidade tão mentirosa.

_thiago disse...

Exatamente isso! A gente só tem certeza daquilo que é irreal, e tem muitas dúvidas em relação àquilo que é real, o que me parece uma maravilhosa contradição! Contradição deve ser condição de equilíbrio.
E eu fico assustadoramente bem por vc me enteder!
Mil beijos!
=|)

Juliana disse...

Real? Eu te pergunto...vc eh real meu amigo???
saudades de vc e vc aqui pertim!!
bom...isso nao posso te responder nem sobre a minha nem sobre a sua realidade...no fim isso me lembrou nossa conversa de sabado."Por trás de cada olhar há um mistério." Seguimos entao, misteriosos....
Bjukassss